Neurologia

A Neurologia é a especialidade que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças que afetam o sistema nervoso (cérebro, tronco encefálico, cerebelo, medula espinhal e nervos) e os componentes da junção neuromuscular (nervo e músculos).

As doenças mais comuns tratadas pelo neurologista são:

Cefaleias ou dores de cabeça;

Distúrbios do sono (insônia, excesso de sono, sono não restaurador, ronco, apneia do sono);

Doenças cérebro-vasculares (AVC) ou “derrames”;

Distúrbios do movimento (como tremores, tics e doença de Parkinson);

Demências (como doença de Alzheimer);

Doenças desmielinizantes (como a Esclerose Múltipla);

Neuropatias periféricas (como a diabética);

Doenças musculares e de junção (como a Miastenia Gravis);

Desmaios, crises convulsivas e epilepsias;

Tonturas e vertigens;

Infecções do sistema nervoso (como meningites e encefalites);

Tumores;

Doenças degenerativas;

Déficit de atenção e hiperatividade;

Formigamentos, perda de memória, confusão, perda de força, alteração na visão, mudança de comportamento, etc;

A neurologia tem interface com a psiquiatria e pode tratar de casos de depressão, ansiedade, irritabilidade, pânico, etc.

Eletroneuromiografia

A eletroneuromiografia - ou eletromiogragia (EMG) - é o método de estudo neurofisiológico usado no diagnóstico e prognóstico dos nervos periféricos.

O objetivo do exame é localizar a lesão no sitema nervoso periférico, prover informações sobre a fisiopatologia das lesões, avaliar o grau de comprometimento e o curso temporal da lesão.

Quando está indicado?

É indicado para diagnóstico de doenças que afetam todo o sistema nervoso periférico, como as células do corno anterior da medula, as raízes motoras, os plexos, os nervos periféricos, a junção neuromuscular e os músculos.

Como é feito o exame?

O exame é realizado em duas etapas:

Inicialmente é feita a estimulação dos nervos periféricos, sensitivos e motores, por meio do uso de uma corrente elétrica de intensidade suficiente para gerar uma resposta consistente, porém suportável para o paciente. A seguir, é utilizado um eletrodo de agulha descartável, que por meio da análise da fibra muscular, auxilia na determinação da gravidade dos problemas identificados na primeira parte do exame e a identificação de patologias de medula espinhal, raízes motoras e da própria fibra muscular.

Existem contraindicações?

Relativas:

Uso de marca-passo;

Pacientes com cateter intracardíaco não podem receber estimulação elétrica;

Pacientes com plaquetopenia abaixo de 50.000/mm ou distúrbios de coagulação;

Pacientes em uso de anticoagulantes, nos quais o tempo de protrombina ou parcial de tromboplastina seja igual ou superior a duas vezes o valor normal.

Absolutas:

Marca-passo do tipo desfibrilador, marca-passo externo. Pele com solução de continuidade e erisipela.

Quais são as limitações do exame?

Crianças pequenas podem necessitar de sedação para a realização do estudo dos nervos periféricos.

Qual o preparo necessário?

O paciente é orientado a não utilizar cremes hidratantes no dia da realização do exame.